Colégio Elias Moreira completa 50 anos

0
83

Diante dos dados apresentados o presidente da Câmara de Vereadores, vereador Odir Nunes enalteceu a história do educandário e a sua importância para Joinville e seu povo, “neste período já passaram pelo menos três gerações pela instituição, sendo que muitos foram alunos e retornaram como professores”, lembrou. Para o parlamentar, povo sem educação é povo sem crescimento e, “rogou que por muitos e muitos 50 e 100 anos esta instituição continuará formando os joinvilenses para o futuro”, disse Nunes. Em seguida ele entregou um exemplar do livro que conta a história da Câmara de Joinville: Da Comuna Aos Tempos Atuais. A História do Legislativo de Joinville, para ser destinado ao acervo da biblioteca da escola.

O vereador proponente da sessão, Jucelio Girardi lembrou que o Colégio Cenecista Elias Moreira é uma das instituições responsáveis pela qualificação da sociedade joinvilense desde que surgiu. Destacou um dos mais completos e super complexo esportivo educacional da cidade, “que bom seria se todas as escolas pudessem ter o seu complexo. Pois quem tem um grande sonho, tem em comum desafios, união, luta, trabalho, dedicação, equipe e acima de tudo acredita”, exaltou Girardi.

O primeiro secretário da mesa diretora do legislativo, vereador James Schroeder emocionou os presentes ao citar que um dos grandes presentes que ganhou de seu pai foi ter estudado no Elias Moreira, de onde saiu para formar-se engenheiro agrônomo. Tendo retornado à escola do CNEC como professor de biologia, completando um período de 40 anos de estreita convivência. Schroeder fez um comovente resgate histórico ao citar ex-professores, diretores, outros que lecionaram em sua época e colegas que o acompanharam em todo o período que foi mestre na instituição. “É a escola que completa a cultura e os valores familiares. É a escola que nos proporciona que envelhecemos com uma base forte porque aprendemos na infância o que levamos para a vida”, argumentou Schroeder.

Já o vereador e também professor Alodir Alves de Cristo, lembrou que o Brasil também deveria valorizar a educação assim como na China onde a preocupação é qualificar, nos mesmos níveis, as escolas dos perímetros urbanos com as das áreas rurais para a formação profissional com qualidade. Também na Alemanha, onde segundo o parlamentar, não existe desemprego para os jovens que recém se formam nas faculdades e universidades graças aos bons projetos pedagógicos. Cristo defende “a escola da liberdade que tem como meta o desenvolvimento do ser humano com meritocracia”.

O diretor geral do Colégio Elias Moreira e Faculdade Cenecista de Joinvile, professor Félix José Negherbon enalteceu o apoio e participação da comunidade joinvilense, as personalidades políticas e empresariais que se enganjaram no processo de criação e crescimento da escola do CNEC em Joinville, citando nomes como os ex-prefeitos Baltazar Buschle, Nilson Vilson Bender, empresário Gonçalo Nascimento, ex-professor Lauro Lorenzi (também ex-vereador) e outros.

[widgetkit id=9]