24 C
Joinville
segunda-feira, 30 janeiro 2023
Home Vereadores Brandel Junior Os temas abordados pelos vereadores na última sessão de janeiro

Os temas abordados pelos vereadores na última sessão de janeiro

0
Os temas abordados pelos vereadores na última sessão de janeiro

A palavra livre da sessão desta segunda-feira (31) teve como destaques educação, pavimentação e saúde.

Kiko do Restaurante (PSD) parabenizou o prefeito Adriano Silva e a vice Rejane Gambin, ambos do Novo, pela alta aprovação popular, segundo pesquisa divulgada na semana passada. Disse que o muro da Celesc, na rua Aubé, foi quebrado para dar mais visibilidade para motoristas. Falou também que a chuva provocou erosões no asfalto, mas que a Prefeitura foi ágil e já os consertou.

Pastor Ascendino Batista (PSD) disse que a Câmara também é responsável pela alta aprovação do prefeito e da vice, trabalhando para o desenvolvimento de Joinville. Falou, ainda, que o município está aumentando o número de vagas em CEIs, mas que essas unidades educacionais não podem pedir materiais escolares que as famílias não podem pagar.

Diego Machado (PSDB) parabenizou o prefeito e vice pela alta aprovação e disse que inclui a Câmara nessa aprovação, parceira da gestão. Falou, ainda, que, se fosse vivo, Marco Tebaldi faria 64 anos, e elogiou sua trajetória política.

Tânia Larson (PSL) disse que, em 24 de fevereiro, começam as novas inscrições para o Prêmio Jovem Autor, da Escola do Legislativo de Joinville, cujo tema é “Adoção Consciente dos Animais”. Falou, ainda, de mutirão de microchipagem que ocorreu no último fim de semana e agradeceu aos envolvidos.

Sales (PTB) falou sobre a mudança do Centro Pop para o Bucarein. Conversou com envolvidos e os argumentos não são suficientes para justificar a mudança. Acha que é preciso melhorar o atual prédio, ao lado da rodoviária, sem mudança de endereço.

Sidney Sabel (Democratas) comentou o programa de pavimentação e seus custos para o munícipe. Disse que não se pode esquecer que a Câmara autorizou empréstimo de R$ 200 milhões para pavimentação e que moradores estão dizendo que vão aguardar que sua rua seja contemplada nas obras custeadas por esse financiamento. Isso já deveria ter sido informado pela Prefeitura, na avaliação dele.

Henrique Deckmann (MDB) disse que seu gabinete tem como lema “Joinville, cidade mais e mais saudável”. Visitou unidades de saúde onde faltam médicos. Citou reforma de praça que ficou muito bonita, o que também é saúde pública. Ouviu também as demandas das unidades de saúde. Esteve também no Hospital Regional, que já avançou, mas ainda precisa de investimentos, como para ligação de esgoto.

Neto Petters (Novo) parabenizou a presidente da sessão e vice-presidente da Mesa, Tânia Larson, pela sessão da última quarta-feira, que, mesmo durando menos, buscou eficiência e votou todas as matérias necessárias. Fez uma enquete em rede social e 77% disseram que outros assuntos devem ser buscados, em outras reuniões, não só na sessão.

Érico Vinicius (Novo) também parabenizou Tânia Larson. Lamentou a morte do engenheiro civil Henrique Chiste Neto e disse que devemos ser menos “esnobes”, sabendo que outras pessoas passaram antes desses vereadores e fizeram muito pela cidade. Leu uma homenagem a Chiste Neto escrita pelos amigos.

Wilian Tonezi (Patriota) parabenizou Tânia Larson pelas ações de castração no bairro Morro do Meio. Acompanhou a entrega de material bélico a Joinville e cobrou novas vagas em concurso da Polícia Militar. Agradeceu aos vereadores pela aprovação, em Legislação, de seu projeto contra a vacinação obrigatória de covid-19.

Lucas Souza (PDT) agradeceu a vereadores de Legislação que o ajudaram a derrubar veto do prefeito ao projeto contra a pobreza menstrual, de Ana Lucia Martins (PT). Ele é o novo relator do projeto, que irá a plenário.

Brandel Junior (Podemos) disse que, neste final de semana, ficou uma hora no PA Sul. O atendimento estava normal. Mas pacientes com suspeita de covid-19 estavam na mesma área que os outros. Questionou os motivos de os médicos não prescreverem medicamentos similares aos pacientes, o que pode ser útil na falta de medicamentos das farmácias hospitalares.